Filha defende mãe-tigre das críticas

23 jan

por Blog Mulher 7×7

Desde que publicou no Wall Street Journal o artigo intitutado “Por que as mães chinesas são superiores”, a sino-americana Amy Chua virou alvo de críticas de mães e filhos no mundo todo. No texto, Amy, que é professora de direito em Yale, defendia a disciplina rígida na criação dos filhos e contava histórias chocantes de como cobrava estudo e empenho de suas duas filhas, Sophia e Louisa, hoje com 14 e 18 anos. Em uma ocasião, Amy ameaçou deixar a filha mais nova, então com 7 anos, sem festa de aniversário, sem bonecas, sem comida e até sem ir ao banheiro se ela não estudasse uma música difícil no piano.

Por causa dessas histórias, Amy recebeu críticas de todos os lados, de ocidentais a orientais. Os primeiros disseram que ela havia criado dois robôs incapazes de se relacionar com os outros. Os últimos, que seu artigo passava uma imagem errada sobre os pais orientais e reforçava o preconceito. Amy recebeu até ameaças de morte por causa do texto, que reúne os trechos mais polêmicos de seu livro Battle Hymn of the Tiger Mother (Hino de Batalha da Mãe Tigre), que será lançado no Brasil no segundo semestre pela Editora Intrínseca.

Assustada com a repercussão negativa do artigo, Amy Chua deu entrevistas a jornais e revistas americanos tentando explicar melhor sua posição – de fato, no livro, a mãe-tigre, apesar de super rígida, acaba cedendo e refletindo sobre a necessidade de encontrar um equilíbrio entre os estilos oriental e ocidental de educação. E, nesta terça (18), sua filha mais velha, Sophia, escreveu em defesa da mãe para o New York Post. O texto, que traduzo aqui, é ótimo, cheio de humor e ironia, como o livro da mãe, e convida, mais uma vez, pais e filhos à reflexão:

“Querida Mãe-Tigre,

Você tem sido muito criticada desde a publicação de suas memórias, Battle Hymn of the Tiger Mother. Um dos problemas é que as pessoas não entendem o seu senso de humor. Eles pensam que você está falando sério sobre tudo, e que Lulu e eu fomos oprimidas por nossa mãe má. Isso é tão falso. A cada quinze dias, nas quintas-feiras, você nos desacorrentava e nos deixava brincar com jogos de matemática no porão.

Mas, sério, não é culpa deles. Nenhuma pessoa de fora pode saber como é nossa família na verdade. Eles não nos ouvem rindo das piadas uns dos outros. Eles não nos veem comendo nossos hambúrgueres com arroz frito. Eles não sabem quanto nós seis nos divertimos – os cães incluídos – ao nos apertarmos em cima da cama para debater que filme baixar para assistir.

Eu admito: tê-la como mãe não é bolinho [acho que essa é a tradução mais próxima para ‘no tea party’]. Gostaria de ter ido brincar com meus amigos em algumas ocasiões e gostaria de ter pulado algumas das lições de piano. Mas agora que tenho 18 anos e estou quase deixando a caverna do tigre, sou grata pela maneira como você e papai me educaram. E explico por quê.

Muitas pessoas acusaram você de produzir crianças-robô incapazes de pensar por si próprias. Bem, é engraçado, porque eu penso que essas pessoas são… bom, não importa. De qualquer forma, estava pensando sobre isso, e cheguei à conclusão oposta: acho que seu jeito rígido me forçou a ser mais independente. Desde cedo eu decidi ser uma criança fácil de ser educada. Talvez eu tenha puxado isso de papai – ele me ensinou a não levar em conta o que as outras pessoas pensavam e tomar minhas próprias decisões –, mas eu também decidi o que queria ser. Não me rebelei, mas também não sofri com todas as pedras e flechas de uma mãe-tigre. Hoje faço minhas próprias coisas – como construir estufas no centro da cidade,  ouvir Daft Punk no último volume com Lulu no carro e forçar meu namorado a assistir O Senhor dos Anéis comigo de novo e de novo – desde que eu já tenha estudado piano.

Todo mundo está comentando sobre os cartões de aniversário que nós fizemos para você, e você rejeitou dizendo que eles não eram suficientemente bons. Engraçado como algumas pessoas estão convencidas que isso nos marcou por toda a vida. Talvez eu ficasse triste se tivesse colocado meu coração naquele cartão. Mas vamos encarar a realidade: o cartão era fraco, e você havia me pegado. Fiz em 30 segundos sem sequer apontar o lápis. Por isso, quando você rejeitou o cartão, não senti que você estava me rejeitando. Se eu realmente tivesse dado o melhor de mim em alguma coisa, você nunca jogaria de volta na minha cara.

Lembro-me de caminhar para o palco para uma competição de piano. Eu estava muito nervosa, e você sussurrou: ‘Soso, você trabalhou o mais duro que pôde. Não importa como vai ser sua apresentação.’
Todo mundo parece acreditar que a arte é espontânea. Mas, Mãe-Tigre, você me ensinou que precisamos de esforços até para a criatividade. Acho que eu era um pouco diferente das outras crianças na escola, mas quem disse que isso é ruim? Talvez eu apenas tenha tido sorte de ter ótimos amigos. Eles costumavam grudar bilhetes na minha mochila dizendo ‘boa sorte na competição amanhã! Você vai se sair bem!’ Eles iam me ver nos recitais de piano – geralmente por causa dos bolinhos que fazíamos para depois – e comecei a chorar quando os ouvi gritando ‘bravo!’ no Carnegie Hall.

Quando cheguei ao Ensimo Médio, você sentiu que era o momento de me deixar crescer um pouco. Todas as meninas começaram a usar maquiagem na nona série [equivalente ao nono ano para nós no Brasil]. Fui até a loja para comprar e aprendi a usar. Não era nada de mais. Você ficou surpresa quando me viu descendo para o jantar usando delineador, mas não ligou. Você me deixou ter esse rito de passagem.

Outra crítica que continuo ouvindo é que você está de certa forma promovendo o foco no resultado, mas você e papai me ensinaram a perseguir o conhecimento pelo conhecimento em si. No penúltimo ano do Ensino Médio, me inscrevi para estudar história militar, uma disciplina optativa (sim, você me deixou estudar muitos outros assuntos além de matemática e física). Uma de nossas tarefas era entrevistas alguém que tinha vivenciado a guerra. Sabia que poderia tirar uma boa nota entrevistando meus avós, cujas histórias de infância durante a Segunda Guerra Mundial eu já tinha ouvido milhares de vezes. Quando contei a você, você disse: ‘Sophia, esta é uma oportunidade para aprender algo novo. Você está indo pela saída mais fácil.’ Você estava certa, Mãe-Tigre. No fim, entrevistei um paraquedista israelense cuja história mudou a forma como eu enxergava a vida. Devo essa experiência a você.

Mais uma coisa: acho que o desejo de viver uma vida significativa é universal. Para algumas pessoas, é trabalhar para atingir um objetivo. Para outros, é aproveitar todos os minutos de cada dia. Então, o que realmente significa viver plenamente? Talvez lutar para ganhar um prêmio Nobel e praticar skydiving sejam apenas dois lados da mesma moeda. Para mim, não, viver plenamente não tem a ver com conquista e recompensa. Tem a ver com saber que você tentou atingir, com o corpo e a mente, os limites de seu potencial.  Você sente quando está correndo, e quando a música que você praticou durante horas finalmente ganha vida sob os seus dedos no piano. Você sente isso quando encontra uma ideia que muda sua vida, e quando faz, por conta própria, algo que você nunca se julgou capaz de fazer. Se eu morresse amanhã, morreria com o sentimento que vivi toda a minha vida em 110%.

E, por isso, Mãe-Tigre, eu agradeço.”

Adorei o texto de Sophia – ainda mais sabendo que ela tem apenas 18 anos. A garota está muito certa em dizer que é fácil – e injusto – julgar uma família sem saber o que de fato se passa dentro de casa. De perto, todos os pais e mães são falíveis, cometem erros e exageros que podem soar absurdos aos ouvidos “estrangeiros”. E nós, filhos, também falhamos de várias maneiras. A única coisa que não muda, aqui ou na China, é o imenso amor que nos une.

* Aproveitando o debate tão acalorado e pertinente, fizemos uma reportagem na edição de ÉPOCA que está nas bancas (acesso para assinantes) discutindo até que ponto a disciplina e a cobrança são necessários na criação dos filhos. Quem tiver interesse sobre qual a melhor forma de educar as crianças pode ler também os artigos de vários especialistas na seção “Room for Debate” do New York Times.

Uma resposta to “Filha defende mãe-tigre das críticas”

  1. claudia 23/03/2011 às 12:39 #

    adorei o comentario dela acho que essa criaçao só fez que ela abrisse a cabeça com novas ideias parabéns

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: