Chopin para crianças

1 out

fonte: Correio Braziliense

Projeto leva crianças de escolas públicas para conhecer a obra de Chopin Na estreia no CCBB, na tarde de ontem, meninos e meninas do Itapoã se emocionaram com a magia que a música e o teatro são capazes de proporcionar

Marcelo Abreu

Publicação: 29/09/2010 03:00 Atualização: 29/09/2010 08:08

Era teatro. Teatro infantil. Mas nunca foi tão real. Pela intensidade, pela reação de quem assistia. Real pela emoção genuína. Centenas de crianças ali pela primeira vez. Olhos vidrados, completamente abertos. Tudo novo. Comoventemente mágico, apesar de muito real. No palco, atores e a música que sai de um piano contarão a história de um certo Frédéric Chopin, que nasceu muito longe do lugar de onde aqueles meninos e aquelas meninas vieram.
No fim do espetáculo, os atores vão direto para a plateia, onde interagem com os estudantes: emoção e empatia despertadas durante a encenação vêm à tona - (Gustavo Moreno/CB/D.A Press )  
No fim do espetáculo, os atores vão direto para a plateia, onde interagem com os estudantes: emoção e empatia despertadas durante a encenação vêm à tona

E a peça vai começar. Um dos atores narra, para explicar o início do espetáculo: “E o menino Chopin conheceu o piano…”. Todas as poltronas do teatro estão lotadas. No palco, o menino se encanta pelo fascínio que seu coração experimenta quando os dedos magricelas tocam nas teclas do piano. Na plateia, silêncio. O ator, na verdade um cantor de ópera que representa, fala: “O menino Chopin aprendeu que o piano fala”. Risos entre os ilustres convidados. Eles pensaram: “Como pode um piano falar?”.

O ator continua: “O piano fala, pode nos dizer coisas alegres ou tristes”. Sabrina Rodrigues, 8 anos, extasiou-se com a descoberta de que um piano “pode falar” e, sem tirar os olhos do espetáculo, disse: “Eu acho linda a música”. Repórter chato. Hora mais inconveniente para se perguntar o que quer que seja. Vanessa Rocha, também 8, limita-se a dizer: “Parece mágica”.

Marcos Antônio:  
Marcos Antônio: “Cadê o Chopin que não vem aqui dizer %u2018beleza%u2019?”

A peça segue. O ator conta: “O menino Chopin, que não era mais tão menino assim, estudou música, fez grandes amigos, grandes músicas e teve também grandes perdas. Emília, sua irmã, morre. E o menino Chopin aprendeu que tudo na vida deve passar. Até a tristeza. É isso, a tristeza um dia também deve passar”.

No palco, atores representam e uma pianista toca as canções compostas pelo então rapaz Chopin. O cantor diz: “E o menino Chopin, que já não era tão menino assim, se fez gente grande e se mudou da Polônia, sua terra natal, para a capital dos pianos e da música. Foi morar em Paris, na França”. Um lugar tão longe que chega a ser improvável para aquelas crianças que assistiam ao espetáculo e saíam, pela primeira vez, do Itapoã.

Para sempre

A montagem contou com música, dança e dramatização - (Gustavo Moreno/CB/D.A Press)  
A montagem contou com música, dança e dramatização

Em Paris, Chopin tornou-se elegante, deu aula de piano, estudou e compôs como nunca. Inclusive suas famosas valsas. E se apaixonou. Keven William, 8 anos, ajeita os óculos, para enxergar melhor. “Nunca vim num teatro. Nunca tinha ouvido música clássica. Minha mãe nem vai acreditar…”. A professora Carla Azevedo, 40, emociona-se: “É a realização pra eles”.

Mas o espetáculo precisa ir em frente. Como a vida. Chopin adoece. Luta contra a tuberculose, o grande mal daquele século 19. Sucumbe em Paris, a terra que amava. O cantor diz: “E Chopin um dia partiu, mas deixou entre nós a música”. O piano silencia. Mas nunca morre. E já que não morre, música, mais música. Cinquenta minutos de peça.

A vida de Chopin passa como mágica, num palco cheio de luz e de cor, com música, a melhor, teatro e dança contemporânea. Tudo junto. Tudo ao mesmo tempo. Aquelas crianças do Itapoã, a 30km de Brasília, um lugar que transita entre a extrema pobreza, a violência e a falta de oportunidades, jamais se esquecerão da tarde lúdica de ontem.

Emoção

Silêncio e concentração: público infantil demonstra maturidade - (Gustavo Moreno/CB/D.A Press)  
Silêncio e concentração: público infantil demonstra maturidade

E foi nessa tarde que o Correio acompanhou, com exclusividade, a estreia do Projeto Chopin para Crianças, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). O silêncio protagonizado pelos mais de 300 alunos da Escola Classe 1 do Itapoã só foi quebrado quando o repórter inconveniente, agachado, fazia perguntas, baixinho, sempre àquelas sentadas nas pontas.

Numa delas, na cena mais verdadeira de todo o espetáculo, uma menininha de 9 anos se acomodava como se estivesse em casa. A sandália repousava sobre o carpete do teatro. Os pés, descalços, se encontravam nas pernas dobradas. Teatro de verdade deveria ser assim, sem afetações, sem mentiras, sem falsas posturas. Os olhos dela pareciam que iam saltar, de tão concentrada no espetáculo. “Nossa, como é lindo… Lindo demais”, extasiava-se ela.

Bruno Saraiva, 9 anos, filho de uma doméstica e de um eletricista de elevador, definiu Chopin como poucos. E talvez a definição mais original: “Ele foi um grande tocador de piano”. E não se conteve: “Ele também fez todo mundo gostar do piano”. Pergunto ao menininho do Itapoã o que ele sente ao ouvir as músicas que saem daquele piano no palco. Ele responde, sem olhar para o interlocutor: “Sinto uma emoção muito grande. Uma coisa boa”.

A vida de Chopin foi contada desde o início de sua carreira - (Gustavo Moreno/CB/D.A Press)  
A vida de Chopin foi contada desde o início de sua carreira

Isso, sim, é emoção. E o teatro, com sua magia que vibra e faz rir e chorar, é capaz disso. Capaz de deixar emocionado o menino de um lugar onde falta quase tudo. Capaz de fazer com que ele esqueça, mesmo por 50 minutos, o mundo real, sem magia, sem música, sem Chopin, onde vive. Isso, sim, é teatro. E o melhor: não havia nenhum mocinho ou mocinha da novela das 9. Era Chopin, “o tocador de piano”, para as crianças da Escola Classe 1 do Itapoã. Era teatro. Mas nunca foi tão real.

A miudinha Ana Beatriz, 9 anos, era só emoção. “Achei tudo lindo. É divertido ver como os atores representam. A música? Lá em casa, nunca ouvi. No Itapoã não toca, não.” Tá bom, é hora de prestar atenção no espetáculo…

Preparação
A professora de percepção musical da Escola de Música de Brasília e produtora Naná Maris, 48 anos, conta que, a 10 dias da estreia de Chopin para Crianças, ela e sua equipe estiveram nas 12 escolas públicas escolhidas para fazer parte do projeto. Levaram um kit Chopin — CD e livro, este doado pela Embaixada da Polônia, sobre a vida e a obra do compositor polaco, numa homenagem aos 200 anos do seu nascimento. “Trabalhamos com os professores, que, por sua vez, trabalharam com suas crianças em sala de aula. Fizeram trabalhos e ouviram músicas do artista”, ela diz.

Com apoio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e do CCBB, o projeto pôde, finalmente, contemplar crianças carentes. “O meu sonho era esse”, conta, emocionada. Por causa disso, neste fim de semana, as portas do CCBB se abrirão gratuitamente para o público. “Faremos nos dois dias dois espetáculos, às 16h e às 18h. Para todas as idades ”, convida Naná.

Fim do espetáculo. Cinquenta minutos de uma vida muito longe do Itapoã. Os atores são aplaudidos de pé. As crianças vibram. Estão emocionadas. Querem mais música. “Oxe, cadê o Chopin, que não vem aqui pra dizer ‘beleza’…” pergunta Marcos Antônio, 9 anos, filho de um pedreiro e uma doméstica.

E Chopin desce do palco. Édi Oliveira, 35 anos, o ator que interpreta o compositor, vai até a plateia. É abraçado pelas crianças. Otílio Bispo, 9, que pela primeira vez saiu do Itapoã, garante: “Eu queria vir pro teatro todo dia, escutar essas músicas, mas lá onde moro não tem nada”. A professora Cristina Rocha, 38, deixa o teatro do CCBB levitando: “A realidade deles (dos alunos) é tão dura, que isso acalma. Além de ser um diversão, um lazer, é uma terapia também”. A professora fala com conhecimento de causa.

Em filas, sem algazarra, como se estivessem anestesiadas, as crianças entram nos ônibus que as levarão de volta ao Itapoã. Chopin, aquele “tocador de piano”, ficará para trás. A peça chegou ao fim. Mas a música ficará no ouvido. A magia do teatro, na memória. O lugar onde vivem não tem magia, mas tem, a partir de hoje, aquelas crianças, que hoje já não serão mais como eram antes. Marcos Antônio falará para o pai, pedreiro, que ouviu Chopin. O pai certamente irá lhe perguntar quem era esse tal de Chopin.

Marcos Antônio lhe contará quem ele era. E falará da música que saía do seu piano, do teatro que comove e faz pensar. Era pra ser apenas teatro. Foi mais real do que se imaginava. Aqueles atores vestidos com roupas de época e a pianista Francisca Aquino nem imaginam a revolução que fizeram na cabecinha daquelas crianças do Itapoã.

O teatro serve, também, para mudar vidas. Quando isso acontece, sem a mocinha ou o galã da novela da moda, ele de verdade cumpriu sua missão. As crianças do Itapoã, hoje, sabem disso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: